Fórum de Valença do Minho

Olá caro(a) Visitante!

A Administração do Fórum Valença do Minho convida-o(a) a registar-se no nosso Fórum!

Se já o fez, por favor faça Login!

A Administração


[AJUDA] Lenda do Distrito de Viana do Castelo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[AJUDA] Lenda do Distrito de Viana do Castelo

Mensagem por susana duarte em 22/11/2010, 19:12

Boa tarde , venho por este meio solicitar a vossa ajuda , para um levantamento que eu estou a fazer acerca de lendas por distritos .

Distrito de Viana do Castelo

Atalaia de Lovelhe , Fortim da Atalaia , Bateria da Mata ( Vila Nova de Cerveira, Lovelhe)
Castelo de Caminha, Fortaleza de Caminha ( Caminha )
Castelo de Castro Laboreiro ( Melgaço, Castro Laboreiro)
Castelo de Curutelo ( Ponte de Lima, Freixo)
Castelo de Lapela, Torre de Lapela ( monção, Lapela)
Castelo de Lindoso ( Ponte da Barca , Lindoso)
Castelo de Melgaço ( Melgaço, Vila)
Castelo de Monção ( Monção)
Castelo de Neiva ( Viana do Castelo, Castelo do Neiva)
Castelo de Portuzelo ( Viana do Castelo, Santa Marta de Portuzelo)
Castelo de São Martinho de Penha ( Monção, Abedim)
Castelo de Valença ( Valença)
Castelo Vila Nova de Cerveira ( Vila Nova de Cerveira )
Forte de Ínsua ( caminha, Moledo)
Forte de Âncora, Forte da Lagarteira ( Caminha, Vila Praia de Âncora)
Forte de Montedor, Forte do Paçô ( Viana do Castelo, Carreço)
Forte de Santiago da Barra ( Viana do Castelo, Monserrate)
Forte de São Francisco de Lovelhe, Forte de Azevedo, Forte de Lovelhe ( Vila Nova de Cerveira , Lovelhe)
Forte do Cão, Forte da Guelfa ( Caminha, Vila Praia de Âncora )
Forte da Areosa, Fortim da Areosa, Forte da Vinha, Castelo Velho ( Viana do Castelo, Areosa)
Muralhas de Ponte de Lima ( Ponte de Lima)
Praça-forte de Valença ( Valença )

Pretendo as lendas referentes a descrição que eu fiz a trás, se me poderem enviar uma lenda de cada agradecia.

Aguardo a vossa ajuda

Sem outro assunto
Atenciosamente

Susana Duarte

avatar
susana duarte
Membro
Membro

Feminino
Idade : 41
Localização : Lisboa
Nº de Mensagens : 1
Data de inscrição : 20/11/2010
1

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [AJUDA] Lenda do Distrito de Viana do Castelo

Mensagem por Boss em 31/1/2011, 23:07

Eu encontrei uma:

Lenda das Portas do Sol

Na terra de Valença que reclama de Ulisses e de Viriato a fundação, e que outrora também se chamou Contrasta, vivia uma princesa que por ser tão bela, valente e pura, herdou o nome desta esplendorosa terra. Contrasta era uma das duas princesas filhas de um rei muito velhinho que aqui reinava.
A beleza da princesa era exaltada pela paisagem verdejante que a rodeava, de tal forma os montes e vales ostentavam uma fertilidade generosa. Parecia que a natureza se prolongava no brilho que os raios de sol reflectiam no olhar de Contrasta. Por todas estas maravilhas, cada dia que passava, a princesa era mais cobiçada por todos os que conheciam o perfume da sua presença.
Ora um dia, um terrível príncipe Mouro que por ali passava, não conseguiu resistir aos seus encantos. Juntou numeroso e experimentado exército, e atacou a paz e alegria dos que ali moravam. Travaram-se duras e difíceis batalhas, foram dias e dias de sofrimento atroz, de lutas e cruéis chacinas, até que o rei cansado pela velhice, e triste por se ver incapaz de suster o avanço do Mouro, fugiu envergonhado, refugiando-se em seus frondosos jardins, que circundavam todo o palácio.
Escondido no meio das flores, o pai de Contrasta viu pétala a pétala..., folha a folha..., as flores a cair. E, ao cair, as pétalas transformavam-se em pedras, que, sobrepondo-se, formaram grandes e nobres muralhas que sepultaram o cadáver do nobre rei, transformando a sua sepultura numa fortaleza dominante e intransponível.
O príncipe Mouro queria encontrar o velho rei para reclamar a glória da vitória, bem como as riquezas do palácio e a mão de Contrasta. Mas apesar de percorrer no seu corcel toda a muralha que entretanto se formara, não encontra qualquer indício do rei nem das riquezas! Levado pela ira e furioso por se ver sem despojos, bate em retirada, destruindo tudo o que encontra pelo caminho. Estava já a sair da fortaleza quando encontra a princesa mais nova. Esta fita-o com um olhar sofrido, desamparado de toda a força, apesar de nele soltar-se ainda a ternura que lhe ia no mais íntimo da alma. Não se abandonou a qualquer escrúpulo o príncipe tresloucado, que mal viu a jovem, pegou na espada para a trespassar friamente, levando a princesa à morte cruel e dura. Foi de tal maneira cruel o gesto, que a própria natureza sentiu aquele golpe cobarde. Os pássaros voaram sobre o cadáver da princesa moribunda cantando e falando como nunca os homens tinham alguma vez escutado: “Tu á bela, que tanto nos acarinhastes..., Tu serás a Rainha do Sol!” Naquele mesmo instante o dia, antes tenebroso e frio, transformou-se em intenso sol ardente, que a tudo iluminou, envolvendo a princesa em mil sóis. Quando a luz brilhante foi perdendo força, havia desaparecido o corpo da jovem, agora transformado num belo portal a que depois chamaram de «portas do sol».
Entretanto, aos gritos da irmã mais nova acorreu aflita Contrasta, princesa herdeira do reino vencido. O Mouro ao ver chegar a sua antiga paixão não teve coragem para suplicar o perdão ou forças para justificar o seu gesto bárbaro. Perdido da razão e desejoso por dar fim a jornada tão violenta, pegou naquela que vira desaparecer a irmã e levou-a para junto de uma frondosa árvore. Ali acabou o que antes havia começado: martirizou Contrasta, deixando-a em lenta agonia debaixo da árvore que muitas vezes lhe servira de sombra repousante. Caíam-lhe as folhas sobre o rosto desfalecido, segredando-lhe baixinho: “Serás coroada..., serás coroada, tu que foste uma princesa valente e tão bondosa!”
E sobre as «portas do sol» desceu a coroa que lembra como a barbárie destruiu bondades e belezas tão prometedoras. Aquelas que a natureza protegeu pela beleza e graça, alcandorando-as aos lugares de destaque, não ficaram sem que a mesma natureza desse resposta ao actor do hediondo crime. Todas as forças se uniram para lançar o guerreiro Mouro no findo do vale, transformando-o em rio. E ainda hoje corre aquele a quem chamam de Minho, vergado aos pés das princesas assassinadas. Por vezes bem ele procura alcançar os muros da fortaleza, como suplicando perdão pelos seus actos, mas lá volta ao seu leito, resignado pelo poder e beleza das «portas do sol».

_________________


Leia as Regras do Fórum
avatar
Boss
Administrador
Administrador

Masculino
Idade : 47
Localização : Valença do Minho
Nº de Mensagens : 752
Mensagem : Leia e cumpra as Regras do Fórum
Data de inscrição : 03/03/2007
1

Ver perfil do usuário http://valencadominho.forum-livre.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum